O Leitor (2008)

A aldeia estava em chamas. Aí, os gritos começaram e foram piorando. Se todas saíssem correndo…não poderíamos deixá-las escapar. Não poderíamos. Eramos responsáveis por elas.
(Hanna no Tribunal.)

Esta obra cinematográfica não fala somente dos fatos ocorridos durante a II Guerra Mundial, mas, sobremaneira, relata os sentimentos e as feridas geradas no povo alemão depois dos conflitos bélicos. Os principais protagonistas: Michael Berg (David Kross /Ralph Fiennes) e a ex-guarda Hanna Schmitz (Kate Winslet – Pecados Íntimos, de 2006) são vítimas destas dores.
Não sei quantos judeus (e não judeus) foram exterminados – acho que ninguém pode precisar este quantitativo. A falta de exatidão dos números não vai apagar o rio de sangue que inundou o século XX. Se apenas um homem é morto em nome de um “ideal superior”, já é o bastante para revelar o quão podre é o regime que se deseja implantar em uma nação.
O diretor Stephen Daldry teve seu trabalho fundamentado no livro de Bernhard Schlink – que tem o mesmo título. A história, narrada em flashbacks, conta a trajetória do garoto Berg (David Kross) que se apaixona por uma estranha alemã – fruto de um encontro casual – chamada Hanna Schmitz.
A surpresa de Berg é tão grande que ele parece não acreditar nos desdobramentos seguintes ao primeiro encontro, especialmente quando ela fica nua na frente dele e o sexo flui de maneira natural, sem as cobranças que atormentam todos nós. É tudo o que imaginamos e desejamos na juventude: uma bela mulher e um lugar para nos deleitarmos nas paixões inesquecíveis.
A mulher é vinte anos mais velha e logo assume o “comando” da situação. Ela se entrega sem limites a um adolescente inexperiente. Um detalhe chama a atenção: Hanna pede que ele leia livros para ela nos momentos em que estão juntos. Até esta parte só sabemos que ela trabalha no bonde e mora no terceiro andar de um prédio da Bahnhofstrasse.
Os encontros vão se tornando mais frequentes e a paixão do garoto vai aumentando a cada dia. Ele perde aulas e corre para o pequeno apartamento, onde os desejos sexuais se misturam com as palavras lidas – ponto obrigatório para o aluno relapso. De inopino, Hanna desaparece, deixando o jovem confuso.
Tempos depois, Michael Berg está cursando direito e  depara  um julgamento de ex-colaboradoras do regime nazista que trabalharam em campos de prisioneiras. O estudo era parte das aulas do professor Rohl (Bruno Ganz – Nosferatu – O Vampiro da Noite, de 1979) e, para espanto do jovem acadêmico, uma das acusadas é Hanna Schmitz. Um choque com uma realidade cruel e que ele jamais imaginara.
Durante o processo, Berg se mantém distante em relação à acusada, mesmo depois do marcante envolvimento nos tempos de adolescente –  envolvimento este que deixou marcas indeléveis na memória do estudante. Ele nada fez para ajudá-la no deslinde judicial – carregava dentro de si o sentimento de culpa dos alemães em face das atrocidades perpetradas pela “máquina” de Hitler.
A decisão final do júri é pela condenação de Hanna. É bom frisar que a ex-guarda foi condenada não por defender os ideais do III Reich – ela não tinha formação intelectual para compreender o projeto político que o regime disseminava, mas por ter confessado friamente a prática de atos que resultaram na morte das prisioneiras que estavam sob seus cuidados.

O tempo avança. Berg (Ralph Fiennes – A Duquesa, de 2008) agora é um homem adulto e solitário. Ao visitar a ex-mante na prisão, ele tenta abrandar o sofrimento da presidiária e, ao mesmo tempo, se penitenciar diante de sua atitude no decorrer do julgamento, e, assim, envia fitas gravadas para o presídio contendo textos literários – uma volta ao passado sem os abraços de Hanna.
O Leitor foi o último trabalho (produção) de dois grandes cineastas – Anthony Minghella (O Paciente Inglês, de 1996) e Sydney Pollack (Três Dias do Condor, de 1975) – que faleceram antes do término e não puderam desfrutar do sucesso deste filme. Uma pena!

Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no print
Imprimir
Walter Filho

Walter Filho

É Promotor de Justiça titular da 9a Promotoria da Fazenda Pública. Foi um dos idealizadores do PROCON de Fortaleza e ex-Coordenador Geral do DECON–CE. Participou e foi assistente de direção do premiado filme O Sertão das Memórias, dirigido pelo cineasta José Araújo. Autor dos livros: CINEMA - A Lâmina Que Corta e O CASO CESARE BATTISTI - A Palavra da Corte: A Confissão do Terrorista

Deixe um comentário