Meu Ódio Será Sua Herança (1969) – The Wild Bunch

Todos sonhamos em ser criança de novo. Até os piores. Talvez os piores desejem mais.
( Velho mexicano para Pike Bishop)

Um filme que não retrata apenas a violência, como muitos rotularam, pelo simples fato de ter na direção Sam Peckinpah – considerado por alguns críticos um esteta da pura violência. Na verdade, o tema central  é sobre homens decadentes em uma época que estava chegando ao fim – a vida de bandoleiros no western dos Estados Unidos.

A versão que foi lançada em vídeo restaurou o tempo original – 144 minutos – e possibilitou uma visão melhor dos objetivos do diretor, portanto, quem já viu deve vê-lo novamente e, assim, perceberá que este trabalho de Peckinpah (A Cruz de Ferro, de 1976) não é um tributo à violência desmedida.

Trata-se de um clássico do gênero faroeste que explora o lado psicológico dos quadrilheiros, envolve-os na trama pelo peso dramático que representam e não pela simples empatia com o público espectador. Foi, sem dúvida, a obra que melhor estereotipou o seu estilo realista em cenas alternadas de ritmos – intercala momentos lentos e agitados que só parecem possíveis em suas mãos.

A história acontece no ano de 1913, quando um bando liderado por Pike Bishop (William Holden) planeja realizar o último trabalho. A missão consiste em assaltar um carregamento de armas e levá-las a um combatente mexicano. Os salteadores estão envelhecidos e parecem cansados demais para a espinhosa empreitada. Tudo leva a crer que nada vai terminar bem e eles estão conscientes de que o fim está realmente próximo.

O grupo é composto pelos renegados Dutch Engstrom (Ernest Borgnine) Freddie Sykes (Edmond O’Brien), Tector Gorch (Ben Johnson – Os Implacáveis, de 1972), Angel (Jaime Sánchez) e Lyle Gorch (Warren Oates). No encalço dos fora da lei está o ex-bandido Thornton (Robert Ryan) que comanda homens não confiáveis e, se não capturar os desalmados, voltará para a prisão. Neste plano, percebemos que os bandidos têm um código de ética – você  faz o que puder pelos companheiros – e aqueles que se dizem defensores da lei (os bons) passam por cima de qualquer norma de conduta para perpetrar seus objetivos; além de descartar qualquer colaborador depois do êxito da operação.

Os cultuados generais mexicanos – a maioria – que empunharam armas na luta pela “salvação” do México, não passavam de bêbados e assassinos que não hesitavam em matar até seus compatriotas,  bastando ver o assassinato a sangue frio de um pistoleiro mexicano. Outra cena marcante acontece quando um criminoso atira em uma mulher, enchendo-a de chumbo de forma fria e covarde. As mulheres são sempre mostradas como vadias e prostitutas, pois sequer possuem nomes; uma verdade de um tempo exacerbado pela brutalidade machista.

As cenas mais violentas acontecem no início e no final do filme. Na abertura, temos um assalto frustrado a um banco, onde vários civis são envolvidos no episódio. Na parte derradeira, um homem é arrastado pelas ruas. Pike olha a cena trágica e retruca: “Deus, eu detesto ver isso”.

No massacre final, o sangue jorra na rua empoeirada. Há pessoas gritando; há gente morrendo. São momentos chocantes, mas sabemos que tudo aquilo existiu e continua a existir. Os tempos modernos são iguais, as marcas da incivilidade estão presentes no dia a dia de todos e em quase todos os lugares.

Meu Ódio Será Sua Herança é o crepúsculo de uma época. Um retrato nostálgico de uma era – western – que morreu e, ao mesmo tempo, o alvorecer de um clássico cinematográfico que ficará para sempre nas memórias dos amantes do cinema.

Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no print
Imprimir
Walter Filho

Walter Filho

É Promotor de Justiça titular da 9a Promotoria da Fazenda Pública. Foi um dos idealizadores do PROCON de Fortaleza e ex-Coordenador Geral do DECON–CE. Participou e foi assistente de direção do premiado filme O Sertão das Memórias, dirigido pelo cineasta José Araújo. Autor dos livros: CINEMA - A Lâmina Que Corta e O CASO CESARE BATTISTI - A Palavra da Corte: A Confissão do Terrorista

Deixe um comentário