Buena Vista Social Club (1999)

Buena Vista Social Club mostra que nunca é tarde para trazer à tona um potencial, mesmo que adormecido ou subestimado.
(Mirna Silveira Brandão)

Trata-se de um filme documentário sobre a vida de alguns músicos cubanos que estavam esquecidos e sem oportunidade de revelar seus talentos. O diretor alemão Wim Wenders (Paris, Texas, de 1984) deverá ser sempre evidenciado por nos ter ensejado conhecer e ouvir músicos de uma linhagem estelar. Também o guitarrista ianque Ry Cooder pela ideia de fazer o filme após ter gravado um CD musical com o grupo e que foi um enorme sucesso. Buena Vista foi um clube que existiu em Havana, nos anos 1940 e 1950, destruído pelo regime comunista, mas não obteve êxito ao tentar destruir a alma dos artistas e, assim, foi possível a realização deste musical histórico.

Se não fosse este filme, talvez o mundo artístico e aqueles que apreciam a boa música jamais teriam conhecido um cantor sem igual no gênero: Ibrahim Ferrer que após o CD – gravado em 1996 – e este documentário, passou a ser visto mundo afora, saindo do ostracismo cubano em que vivia. Pergunto-me: Como pode um homem tão talentoso suportar tanto tempo de amargura e, mesmo depois de quase cinqüenta anos, já sem esperança de mostrar a todos que sabe cantar, dizer que não guarda rancor de nada? Trata-se de um homem cuja alma é grande.

O filme não aborda o tema político de maneira direta, mas sabemos que a ditadura imposta pelo famigerado Fidel Castro é responsável por transformar uma ilha tão encantadora em um gueto de favelados, mas  o pior é ver alguns “esquerdistas e intelectuais brasileiros” defenderem tal regime de exceção, que mata os contrários com um tiro na nuca e em rito sumaríssimo.

Um dos momentos inesquecíveis é aquele em que Ibrahim e Omara Portuondo cantam a música “Silêncio” no estúdio e o diretor leva o plano para a apresentação ocorrida em Amsterdã; não dá mesmo para esquecer e as lágrimas da cantora são fruto daquilo que estava preso e adormecido por um longo tempo. É difícil segurar a emoção mesmo para quem matou, dentro de si, a sensibilidade.

Durante o insulamento, Ibrahim Ferrer sobreviveu sendo um sapateiro e, já no crepúsculo de sua existência, consegue sua tão sonhada liberdade e nos brinda, sim,  nos brinda com um canto refinado e que brota de sua alma com uma simplicidade ímpar. Depois do sucesso, Ibrahim disse: “Eu só queria viver um pouco mais”. Viveu oito anos. Conheceu a cosmopolita Nova York e ficou encantado. Cantou no famosíssimo Carnegie Hall.
Buena Vista Social Club revela que nunca é tarde para reaver os verdadeiros valores da vida. Assim, reverencio tudo que é o fascinante, heroico e inesquecível trabalho de Wenders e Ry Cooder.

Alguns músicos já estão mortos, dentre os quais, Ibrahim Ferrer e Compay Segundo. Parabéns a todos eles. Um filme para silenciar os incautos, um grito de alerta pelas liberdades civis.

Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no print
Imprimir
Walter Filho

Walter Filho

É Promotor de Justiça titular da 9a Promotoria da Fazenda Pública. Foi um dos idealizadores do PROCON de Fortaleza e ex-Coordenador Geral do DECON–CE. Participou e foi assistente de direção do premiado filme O Sertão das Memórias, dirigido pelo cineasta José Araújo. Autor dos livros: CINEMA - A Lâmina Que Corta e O CASO CESARE BATTISTI - A Palavra da Corte: A Confissão do Terrorista

Deixe um comentário