A Insustentável Leveza do Ser (1988)

Algumas pessoas não mudam nunca. Alguns são sempre canalhas.
(Tomas)

Durante os protestos na cidade de Praga, capital da então Tchecoslováquia, contra a ocupação da temida União Soviética, cujo perverso sistema comunista deixou um rastro de maldades no Leste europeu; um médico chamado Tomas (Daniel Day-Lewis), vive momentos inusitados na sua juventude. Mulheres entram na história para satisfação do desejo carnal do clínico. Duas jovens, a artista plástica Sabina (Lena Olin) e a fotógrafa acriançada Tereza (Juliette Binoche), dividem as atenções do desligado sedutor Tomas.

A trama se desenrola no ano de 1968, estação dos movimentos revolucionários que agitaram a Europa. Período em que se fumava dentro de hospitais e ninguém reclamava – inimaginável nos dias atuais. Olhar para trás sempre é bom, no contexto da época, atitudes hoje proibidas eram glamourosas.

Confesso que invejo àquele tempo, gostaria de ter participado daquelas manifestações de rua. Rever o filme mais de vinte e quatro anos depois é revisitar um lugar guardado na memória – a encantada mocidade. A cena em que Tereza com sua máquina Praktica fotografa pessoas nas ruas é saudosa. A música de fundo nos transporta para tempos passados. A trilha sonora é de Leos Janácek, Mark Adler e Ernie Fosselius.

O filme foi rodado em 1988, e teve direção de Philip Kaufman. Usando como foco a liberdade sexual e as amarras de um relacionamento sério, o diretor também visita o tema político.  Os protagonistas principais mudam seus rumos profissionais após a invasão soviética. Eles deixam seus lares e partem para viver em outros países, como Suíça e França, mas não se envolvem diretamente nos movimentos.

A narrativa do filme nos convida a questionar até que ponto suportamos a leveza de nosso ser. Tomas é de certo modo vazio, não consegue preencher sua vida – demonstra frieza com os acontecimentos, não vive as paixões com intensidade. Parece faltar algo! Sempre nos falta algo e sempre temos algo que reclamamos de seu peso para carregarmos. Talvez esse “pesado” seja o que faça sentido dentro da nossa existência; afinal, muitas relações são sustentadas por um peso qualquer, pela dor ou mesmo pelo sentimento de culpa – só valorizamos aquilo que pesa. A vida é assim, muitas vezes somos obrigados a usar máscaras para nos proteger.

O triângulo amoroso não é fechado, uma vez que outras personagens permeiam sexualmente a vida de cada um deles; seja isto um simples prazer sexual ou mesmo a angústia de Tereza: como se pode fazer amor sem estar apaixonado? Ela experimenta isto e parece não gostar.

A Insustentável Leveza do Ser questiona não só a leveza, mas também o peso da vida, como no Eterno Retorno muito bem retratado pelo filósofo alemão Nietzsche, que no sentido mais amplo são os ciclos que vivemos na existência – angústia e prazer são ardores integrantes de uma mesma realidade que se alternam.

Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no print
Imprimir
Walter Filho

Walter Filho

É Promotor de Justiça titular da 9a Promotoria da Fazenda Pública. Foi um dos idealizadores do PROCON de Fortaleza e ex-Coordenador Geral do DECON–CE. Participou e foi assistente de direção do premiado filme O Sertão das Memórias, dirigido pelo cineasta José Araújo. Autor dos livros: CINEMA - A Lâmina Que Corta e O CASO CESARE BATTISTI - A Palavra da Corte: A Confissão do Terrorista

Deixe um comentário